Do contra

* comprei o Guia do Mochileiro da Galáxia, no sebo, por 15 reais. Há anos ouço falar desse livro, que tem muitos fãs, dentre eles a Flor. Já passei da página 80 e continuo com a sensação de que joguei meu dinheiro fora…

* fui convidada para um café e quando vi estava numa festa de artistas. Pela primeira vez em muitos anos eu não me senti uma artista. Me senti uma tremenda burguesa, que não gosta de inovações artísticas e que não precisa vender o que faz por 100 reais só pra entrar uma grana.

* hoje me mostraram um creme novíssimo, que você passa na gordurinha e fica com a sensação de que pegou muito sol. Horas depois – PUF! – você está com menos 2 cm. Será que eu sou a única que não tem vontade de consumir esse tipo de produto?

Anúncios

Cintura ou Que bom Que as Calças Voltaram ao Normal

A Veja tinha anunciado, mas eu não estava acreditando. Mas é verdade, a cintura das calças vai subir. Fui comprar uma calça nova e todas da nova coleção tem a cintura mais alta. Não tão alta quanto elas eram nos anos 80, mas estão definitivamente mais altas.

Isso significa o fim de panças indecentemente pra fora, por todos os lados. O fim das gordurinhas saltando por fora da roupa, o fim dos nossos corpos deformados. Chega de ficar com o cofrinho de fora em pleno inverno! \o/

Meus vídeos preferidos do youtube

Recebi a corrente do Ale e adorei. Na realidade, muitos de meus vídeos preferidos já foram postados, como o Rivaldo, sai desse lago e Coro de Helsink. Então, colocarei outros muito bons e inéditos.

Polina Semionova num clipe alemão

Como meu interesse pelo ballet é uma coisa recente, eu ainda sou bem inculta nesse item. Quando a gente entre no youtube e digita ballet, é o primeiro clipe que aparece. A gente acha lindo, quem saber que é ela, que música é. Depois eu acabei descobrindo outros vídeos e outras bailarinas. Mesmo assim, o vídeo ainda me toca. A bandida da Polina é boa mesmo. Não é a toa que ela é a primeira bailarina de Berlin.

Propaganda Renault Logan

Eu adoro comerciais. Já passei horas me divertindo no youtube vendo tudo quando é comercial. Os de bebidas alcólicas (não me pergunte o porquê) costumam ser os melhores. Depois são os de carro. Esse é fofo que só. Uma amiga que estava no Chile que descobriu. Pena que no Brasil a propaganda do Logan seja outra. Perdemos nós.

Arnold Schwarzenegger promotes Brazil

Esse é pra categoria Aimeudeusquecoisatosca! É pra ver com um olho e tapar o outro, de vergonha. Até que ponto a gente merece uma imagem dessas no exterior? A cena da mulher com a cenourinha me faz pensar que um bom pedaço…

Kirk e Spock

Eu sou fã da série Star Trek e não vejo nada nenhum sacrilégio neste clipe. Aposto que você nunca mais vai ver os dois da mesma maneira…

Saturday Night Live – Hugh Laurie in Office Intervew

Eu tenho vontade de fazer UUUUuuuuuuUUUuuuuu cada vez que vejo o Hugh Laurie. Lindão, engraçado, inteligente, excelente ator, culto, maravilhoso, simpático. E esse vídeo é muito engraçado. Desde a primeira vez que assisti, tenho que me conter pra não fazer UuuUUUUuuu por aí cada vez que gosto de alguma coisa!

Agora eu passo a bola para: Imagens, Perhaps, Paixão e Liberdade, Colcha de Retalhos Organicos e Eu Nua.

Houston, we have a WordPress problem!

Foi assim: um dia o Ale me deu a idéia genial de transformar o meu Fernanda Guo em um site falando das minhas experiências como artista. Assim, eu atraria muito mais visitas do que ter um simples site com as minhas esculturas. Eu nem dormi direito aquela noite e já imaginei um monte de coisas. Aí eu pensei que seria mais legal ainda juntar outros artistas que eu conheço – dentre eles a Flávia e o Luciano – pra cada um falar da sua especialidade numa coluna. Conversei com as pessoas envolvidas, elas acharam ótimo, a Flávia me sugeriu o WordPress e me mandou um monte de sites com dicas.

Isso foi no ano passado. O Luiz – que não entende nada de sites mas é um usuário de computador acima da média – me disse que precisaria de um tempo pra estudar o site e colocar tudo em prática. O tempo foi passando, ele não conseguia fazer e eu entrei em crise criativa. Eu passei os últimos 6 meses sem querer saber de escultura e o projeto foi abandonado.

Aí, eu percebi que não conseguia desistir de esculpir (sabe como é, sou brasileira e não…) e quero retomar a idéia. Aí pra simplificar a vida do Luiz, pedi pra ele fazer um blog normalzinho no wordpress, com um link pro site atual. Ele achou mais simples e disse que agora ia. Mas não foi. Por quê? O Luiz não acha o tal do código fonte (!?); ele não consegue passar as atualizações pro site. Algo que pros 354315364 usuários de wordpress que eu conheço parece ser muito simples.

E agora? Eu não posso nem brigar com ele, porque afinal o site é meu. Eu mesma deveria fazer o meu site, mas nem tudo é perfeito; eu esculpo, escrevo, danço e pinto paredes, mas sou completamente tapada em informática. Com os “colunistas” que eu conversei naquela vez, eu nem tenho coragem de propor tudo de novo. Às vezes eu penso em ir pra Sampa e contratar a Flávia de uma vez, já que ela fez aquele site lindo na maior boa vontade. Às vezes eu penso em fazer outro Blogger, porque aqui em consigo me virar. Assim como às vezes eu estou em um lugar público e tenho vontade de gritar: ALGUÉM AQUI SABE MEXER NO WORDPRESS?

=/

A banda larga da vovó

A sueca Sigbritt Löthbers, de 75 anos, ganhou uma conexão de 40 Gbps em sua casa como parte de um plano para divulgar a banda larga no país. Veja o que seria possível baixar (e em quantos segundos) se você tivesse a mesma velocidade da vovó:

Mil músicas de mp3 -> 1 segundo
Debian GNU/ Linux 4 (21 CDs) -> 2,5 segundos
O conteúdo de um DVD Blue-ray -> 5 segundos

Fonte: INFO Exame, Agosto 2007, p.18

E eu aqui, com uma conexão de 300 k
* inveja

Pós-defesa pessoal para mulheres

Só agora, depois de tantos dias, consigo digitar. Eu já saí do curso me sentindo um boneco do carnaval de Olinda, porque os meus braços estavam imprestáveis. Foram mais de 6 horas de porrada, joelhadas e socos. O pessoal que estava ajudando era completamente louco, porque nos mandava bater pra valer. Uma hora estava de luva de boxe e tinha que bater sem parar; o meu par era um japonês menor do que eu. Eu ia batendo, o cara fugindo, todo mundo rindo e o professor falando – Filma, filma!

No apoteótico final, fomos levadas descalças e com frio pra uma sala separada. Aí vinha um carinha e colocava um protetor facial na gente. Na outra sala, luz piscando, rock pesado e gritos. Chegou a minha vez.
(instrutor) – Eu só tenho uma coisa pra te dizer: que Deus te ajude.

Aí eu fui jogada na sala, onde um carinha já me esperava atrás da porta e me jogou lá no meio. Enfrentei ele, enfrentei dois de uma vez só, enfrentei mais um e aí me disseram que um gordão bem maior do que eu, de capuz, era o último. Quando estava saindo, veio mais outro escondido, me levou de volta e todo mundo começou a gritar. Só tenho fashes e vagas lembranças do que eu fiz. Diz esse ultimo que eu fiz marcar profundas de unhas perto das costelas dele. Eu não lembro de nada. Minha mão ainda dói e pra amassar banana eu preciso da ajuda das duas mãos.

ADOREI. Se um marginal tentar se meter comigo, é bom que ele já tenha feito seus descendentes… ^^

(Pra quem quiser mais informações, é só ir na SOBS)