Curtas pra reclamar

eu to na internet pra reclamar

Existem duas etapas sobre decidir escrever, uma fácil e a outra difícil. A fácil é “Vou escrever um livro sobre X”. A difícil é tudo o que vem em seguida.

.oOo.

Um lado meu gosta de flamenco mas outro… pelamordedeus, vocês sabiam que existem outras formas de cultura?

.oOo.

Existe um caso de amor entre grãos de arroz e aparelho.

.oOo.

Em algum lugar das regras de etiqueta internéticas facebookianas, deveria estar escrito que não se atualizam eventos do facebook diariamente. Pra isso existe blog.

.oOo.

Baladas perdem a graça para comprometidos. E festas de casamento – descubro agora – perdem a graça para solteiras quando não há perspectiva de homens interessantes. Crente comigo não dá, MESMO. Sorry.

Anúncios

Lote-terapia

Ela funcionaria assim: meu cliente marcaria um horário comigo. Na hora combinada, eu o esperaria dentro de um carrinho de golfe, no lote. Entregaria a ele uma enxada. Então, à medida em que carpisse, o sujeito desfiaria seu rosário de reclamações. Se ele ficar sem fôlego, pode parar de falar; o que não pode é parar de carpir o lote. Com o tempo a pessoa acaba percebendo que o objetivo é que ela fique quieta mesmo. Se o caso for muito grave e mesmo depois de um hectare o problema ainda parecer grande, a gente estende por mais uma hora ou vai carpir outro lote. Depois desse horário, ele me pagaria (óbvio!), sairia extenuado e garanto que mais feliz.

Existem dois tipos de pessoas no mundo: as que se queixam de seus problemas e as que não se queixam. Mas as que se queixam parecem esquecer disso, e acham que o mundo está dividido entre pessoas com e sem problemas. Aí acontece a situação ridícula de você estar ferrado na vida e ter que consolar gente que não consegue ser feliz porque tem trauma de infância. E de nada adianta mostrar que a pessoa é mais jovem, mais loira e que gasta com roupas mais do que você pra sobreviver. Ela lhe dirá – Mas é diferente, você é forte e eu não. Porque a capacidade de olhar para os problemas próprios e achar trágico, é inversamente proporcional à capacidade de ser sensível ao problema dos outros. O que falta pra esse povo é lote pra carpir.