Losers

losers

Não sei se ando numa fase emotiva, mas há muito tempo eu não gostava tanto e me emocionava com uma série Netflix com a Losers. Acho que a última que me entusiasmou assim foi a Abstract. Não faz muito tempo, eu estava nadando e veio um flash de uma lembrança, e que me foi muito reveladora. Eu estava começando a fazer aulas de natação, estava indo muito bem para quem começou mais velha, aí vi as outras pessoas nadando e fazendo virada olímpica, e pensei: “eu tenho que aprender a fazer virada olímpica. Senão, por melhor que eu nade, nunca vou deixar de ser reba” (expressões de infância voltam à minha mente nos momentos muito íntimos, esta quer dizer algo como “ruinzinha”, “porcaria”). Não devia estar nadando nem há um mês e não queria ser reba. O que me surpreendeu é que eu tento dizer pra mim o tempo todo que não sou uma pessoa competitiva. Aí eu vi que sou, porque tento jamais ser reba. E achar que pra tudo o que você faz na vida, mesmo começando fora da época e ao lado de pessoas que fazem aquilo a vida inteira, você deve ser pelo menos boa, não deixa de ser querer demais.

A série fala de muita gente que estava lá em cima e falhou, em derrotas que foram melhores do que vitórias, derrotados que se tornam mais famosos do que os vencedores, vitórias pessoais que valem muito mais do que qualquer medalha. A cada ano que passa, é como se eu ficasse cada vez pior no flamenco. Não deve ser verdade, mas subjetivamente pra mim é assim. Sério, eu fico muito sem graça quando me mandam vídeos e dizem me querer ver dançar. Porque eu sei a imagem que mulher dançando flamenco passa, aquela feminilidade forte e decidida, e eu sei que me ver não é assim e nunca serei assim. As pessoas que são assim têm uma relação com a música e com o sapateado que eu não tenho, e não é uma questão de tempo. Acho que me sinto tão mal porque finalmente vi que nunca deixarei de ser reba no flamenco. Em outra coisas eu consegui, no flamenco não. Mas, ao mesmo tempo, o flamenco me proporciona experiências que, digamos assim, até parece que eu sou boa. Meio porque estamos no Brasil e “é o que tem hoje” – eu estou lá, estou disponível. Se tivessem outras dez opções, quem sabe as escolheriam e eu nunca entraria, mas não tem. (Deve ter umas cinco e garanto que chamam todas as cinco antes). Mas se estou na foto, subo no palco, participo do programa e levo a lembrança pro resto da vida comigo… sou loser.

Anúncios