Homo sapiens

Nos primeiros ajuntamentos de Homo sapiens o material genético era distribuído sexualmente entre diversos parceiros, de maneira a gerar com comprometimento coletivo com a prole ou sempre houve um desejo exclusivo de proteger o seu próprio, por isso o atual predomínio da monogamia? Cada vez que esse tipo de questão é colocada, um historiador, um sociólogo ou qualquer estudioso da área de humanas sente um arrepio na nuca. Quando surge a proposta de fazer uma macro história, de tentar adivinhar os comportamentos do ancestrais que não deixaram escritos, é muito comum apelar por um biologicismo rasteiro, que pega o que convém de diversas espécies e com isso tenta justificar o que há de pior na humanidade. Harari corrige tal posicionamento em poucas palavras:

Os debates acalorados sobre o “estilo de vida natural” do Homo sapiens perdem de vista a questão principal. Desde a Revolução Cognitiva, não existe um único estilo de vida natural para os sapiens. Há apenas escolhas culturais, dentro de um conjunto assombroso de possibilidades. (Sapiens: uma breve história da humanidade)

Também pudera, Harari é historiador. E fala, nesta entrevista, de uma maneira tão simples do surgimento do seu primeiro best seller mundial (o já citado Sapiens) que nem fica parecendo que o livro é brilhante. Se você tem preconceito com best sellers, supere, porque de quando em quando eles têm razão de ser. Harari, para reconstruir a história da humanidade, encadeia fatos que a princípio não são novidade e com eles gera insights deslumbrantes. Por favor, consumam.

Anúncios