Casa pequena

Oi Ale,

Já comentei com você, não lembro por que meios, que compartilho do teu fascínio pelas Casas Pequenas. No teu caso, como vim saber mais tarde, o fascínio tinha a ver com a própria necessidade de encontrar um lugar para morar. Já eu tenho a minha própria casa. Para as revistas de decoração, ela é considerada uma casa pequena – sério, as dicas para deixar os espaços “mais amplos” servem para ambientes com até 200 m² – só que está longe de ser uma Tiny House. Aí, como fazer quando a gente já tem a sua casa, nem de longe tão pequena, e começa a achar que a graça é morar num lugar bem pequeno, bem básico, como mundo como quintal (como você mesmo diz)? Comecei a ficar com vontade de vender a minha casa e me mudar pra um container…

 

Claro, não faz o menor sentido. Ainda mais se levarmos em conta a bolha imobiliária que estamos vivendo. Comecei a perceber que o meu fascínio pelas casas pequenas tinha a ver com os espaços bem aproveitados, funcionais, com o apego ao simples e essencial. Mais espaços acabam atraindo mais coisas, mais armários, mais caixas, e quando vemos está tudo preenchido. Eu trouxe comigo um monte de relíquias de família, achando que teria espaço o suficiente pra tudo. Mas não, não tinha. Outra questão é que moro na minha casa há uma década, e me frustro em perceber que ela não é o que eu queria. Assim que casei, fiz assinatura de revistas de decoração, me inteirei de acessórios e possibilidades, mas tudo sempre foi difícil demais, caro demais. Numa casa pequena tudo isso ficaria mais fácil, coloca um ou dois móveis e está feita a decoração.

 

Foi aí que eu decidi fazer da minha casa-não-tão-pequena uma casa pequena. Se o que eu gostaria é de ter um motivo para viver com menos, por que não fazer isso agora? Tenho agido como se fosse me mudar para um lugar menor. Tenho olhado para as minhas coisas e me perguntado se há alguma maneira de ter menos. CDs, por exemplo. Ocupa tanto espaço ter CDs, sendo que cabe tudo em um pendrive. Tenho descoberto coisas que eu nem sabia que tinha, tenho feito escolhas libertadoras. Até mesmo o problema da decoração tem ficado mais fácil. Ao invés de esperar uma decoração ideal, ou armários sob medida que possam esconder minha bagunça, percebo que fica mais fácil quando há menos coisas para organizar.

Era isso. Beijo e parabéns pela newsletter, que tanto nos inspira.

Anúncios