Corpo em férias

Digo a todos que meu corpo entrou em férias, embora o ano letivo vá até dia 10 de dezembro.

É que passei um ano puxadíssimo – me propus essa loucura de fazer mestrado e graduação e tive que agüentar o tranco. No primeiro semestre, estava matriculada em 6 matérias, 3 de cada. Achei que no segundo semestre a coisa ficava melhor, porque já tinha terminado as 3 obrigatórias das 3 áreas – antropologia, sociologia e ciência política. Então, peguei “apenas” 2 matérias na graduação e mais 3 do mestrado – 5 matérias. Mas não ficou melhor. Comecei a minha pesquisa e isso me toma um tempo danado. Sem falar na minha presença no Grupo de Estudos. Acabei trocando seis por meia dúzia.

Como diz a expressão, entre mortos e feridos salvaram-se todos. Errando como uma alma penada, à procura de alívio nos feriados, sem final de semana, lendo como uma louca, consegui cumprir minhas obrigações. O último esforço foi terminar o projeto para aquela apreciação em sala de aula. Agora, tudo mais é pro começo do ano que vem.

Estar com o corpo em férias significa que não consigo mais me obrigar a ler nada, nem um textinho sequer. Não consigo evitar de simplesmente faltar dias de uma carga de aula pesada, como o dia inteiro ontem (aula das 8 às 18h), como a tarde de hoje (seria novamente aula das 8 às 18h). Chego em casa e passo o tempo todo dormindo. Brinco mais com o cachorro. E ataco o maridão quando ele chega.

Ah, férias…